Assinar Feed RSS Visite nosso canal no Youtube! Siga-nos no Twitter! Encontre-nos no Google Plus! Encontre-nos no Facebook!
I Encontro Brasileiro de Pesquisa e Epistemologia Jurídica | de 23 a 26 de setembro. UFSC, Florianópolis - SC

Cultura de massa, televisão e telenovela

Enviado por , em
Palavras-chave: , ,

Cultura de massa, televisão e telenovela (1)
Por: Maria Alice Silveira Ferreira (2)

INTRODUÇÃO

Este estudo surgiu a partir da necessidade de entender as implicações da televisão na sociedade brasileira, em específico, as telenovelas. Por serem programas de maior audiência da televisão brasileira, as telenovelas desde o princípio intervieram na história do Brasil contemporâneo, influenciando de forma direta no cotidiano das pessoas, criando tendências e expressões.

O objetivo principal deste estudo é analisar de que forma as telenovelas influenciam na formação e no comportamento dos brasileiros, procura-se investigar como as pessoas absorvem o conteúdo destes programas. Para esta discussão, fez-se necessária primeiramente uma revisão bibliográfica acerca da cultura de massa, posteriormente um estudo específico sobre televisão e telenovelas.

O trabalho encontra-se divido em três sessões: Na primeira sessão, foi feita uma análise desde o surgimento da sociedade de massa, no período de industrialização, causando mudanças no âmbito político, social e cultural dos indivíduos e a sua consolidação, onde a cultura toma espaço de hegemonia, passando a mediar, encobrindo as diferenças e unificando os gostos.

Na segunda sessão, foi discutido o papel da televisão, principal meio de comunicação de massa, e o seu principal produto: as telenovelas. A televisão tem uma maior acessibilidade em todo país, parte da população brasileira se mantém informado através dela. A TV é capaz de informar e também de formar. No caso das telenovelas, ela tem a capacidade social de mesclar várias camadas da sociedade, por isso é o gênero mais popular da televisão brasileira.

Na terceira e última sessão, foi feita uma observação em algumas famílias no período de exibição da novela América (2005). Através desta análise, foi possível a comprovação e também a refutação de algumas hipóteses do trabalho.

O interesse por este tema justifica-se pela capacidade que esses programas possuem de atingir as mais variadas classes sociais do país. As telenovelas são consideradas programas de maior audiência em toda América Latina. Elas são um meio prático para se difundir conteúdos culturais, perante a uma população desprovida de outras alternativas de comunicação. As hipóteses são que as telenovelas por serem o principal programa da televisão brasileira podem difundir conteúdos sociais e culturais em sua trama, mantendo a população informada sobre os assuntos discutidos, além de conseguir elevar os índices de audiência.

A metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica e a análise de conteúdo. A primeira foi baseada nas seguintes temáticas: A importância da televisão na vida dos brasileiros; a existência de um contexto sócio-cultural, ou seja, as mediações dentro da relação produtor-receptor, e a telenovela como principal programa da televisão brasileira, e por último, o perfil das telenovelas, com a inclusão do merchandising social, onde as narrativas se tornam mais próximas do cotidiano das pessoas, ao abordarem os problemas sociais.

A análise de conteúdo foi feita de forma qualitativa. Foram observadas três famílias durante o período de exibição da novela América (março/05-novembro/05). A novela abordou em sua trama temas polêmicos como imigração ilegal, o homossexualismo entre outros.

UM PANORAMA SOBRE A CULTURA DE MASSA

Muito se tem estudado acerca da sociedade de massa e o seu surgimento. Vários autores acreditam que esta sociedade surgiu na década de 1930, Martin-Barbero (2003), porém, afirma que o surgimento da sociedade de classes se deu muito antes deste período, para ele, a industrialização capitalista fez com que se criasse um novo papel para a sociedade, onde as relações sociais tendem a se tornar mais irracionais.

De acordo com Caldas (1986), a Revolução Industrial gerou um grande impacto e ocasionou mudanças na vida das pessoas, surgindo o que ele chama de “civilização industrial”. Inúmeras transformações no âmbito social, econômico, político e cultural mudaram o comportamento do homem, e, conseqüentemente a estrutura da sociedade. Sobre a cultura de massa, ele nos dá a seguinte definição:

“(…) consiste na produção industrial de um universo muito grande de produtos que abrange setores como a moda, o lazer, no sentido mais amplo, incluindo os esportes, o cinema, a imprensa escrita, falada e televisada (…), enfim, um número muito grande de eventos e produtos que influenciam e caracterizam o atual estilo de vida do homem contemporâneo no meio urbano-industrial.” (CALDAS, 1986: p.16)

Coelho (1996) acrescenta que o surgimento das massas se deu não só devido a Revolução Industrial, mas a todo um contexto da época, com uma economia de mercado baseado no consumo de bens, ou seja, o aparecimento de uma sociedade de consumo. Segundo o autor, a cultura de massa surge como fenômeno da industrialização. Neste contexto, a cultura se torna um produto, assim como outros a ser consumido.

No final do século XIX, o pensamento conservador era predominante no entendimento do fenômeno da massificação.(Martin-Barbero (2003) diferencia massa e povo quando a caracteriza como fenômeno psicológico, onde os indivíduos, por mais distintos que sejam, estão dotados de uma “alma coletiva”, onde comportam de forma diferente de quando estão isolados). Martin-Barbero (2003) aponta o psicólogo Gustave Le Bon como um dos primeiros estudiosos da cultura de massas. Para este autor, a sociedade industrial não é possível sem a formação de multidões. As massas são turbulentas. Os indivíduos possuem uma alma coletiva no qual agem de forma distinta se estiverem isolados. De acordo com ele, são irracionais, incultas e vivem momentos de barbárie.

Segundo Martin-Barbero (2003), a teoria da sociedade de massa de Le Bon, baseia-se na negação mesma do social como espaço de dominação e conflitos, espaço este, que recupera a história sem pessimismos metafísicos, permitindo que se compreenda o comportamento das massas não só como dimensão psicológica, como também cultural.

No século XX, surgem duas correntes de pesquisadores da cultura de massa. A Escola de Frankfurt, segundo Martin-Barbero, faz com que o debate sobre as massas pela primeira vez, não seja pensado como substitutivo, mas como constitutivo do conflito estrutural do social. Os principais autores vinculados a esta escola são: Theodor Wiesengrund Adorno, Max Horkheimer e Walter Benjamim.

Martin-Barbero (2003) aponta que o conceito “indústria cultural” surge a partir de Adorno e Horkheimer, tendo como base seus estudos sobre a América do Norte com sua democracia de massa e a Alemanha nazista com seu regime totalitarista. Para os teóricos da Escola de Frankfurt, esses elementos são duas faces de uma mesma dinâmica. Na visão de Adorno, sociedade de massa degrada a cultura em industria da diversão: o capitalismo articula os dispositivos do ócio ao do trabalho. Sobre essa visão de Adorno, Martin-Barbero (2003) aponta:

“(…) a diversão tornando insuportável uma vida inumana, uma exploração intolerável, inoculando dia a dia e semana após semana ‘a capacidade de cada um se encaixar e se conformar’, banalizando até o sofrimento numa lenta morte ‘morte do trágico’, isto é: da capacidade de estremecimento e rebelião.” (MARTIN-BARBERO;2003: p.79)

Conforme Caldas (1986), Adorno mostra que a indústria cultural nada oferece de satisfatório ao consumidor, pois ela tenta agregar a arte erudita com a arte popular, o que faz com que as duas fiquem prejudicadas. As pessoas se tornam secundárias somente vistas como elemento de consumo. A massa perde sua condição de sujeito, seu aspecto humano.

Apesar de pertencer a Escola de Frankfurt, o pensamento de Benjamim se distancia do pensamento de Adorno e Horkheimer. Martin-Barbero (2003) mostra que, primeiramente Benjamim toma a realidade como algo descontínuo, sendo importante pensar a experiência, uma vez que não é possível entender o que se passa pela massa sem pensar a experiência. O autor é o primeiro que fala da mediação, permitindo se pensar as relações de transformação a partir das condições de produção com mudanças no espaço da cultura.

De acordo com Martin-Barbero (2003), a nova sensibilidade da massa pra Benjamim é a aproximação, diferentemente de Adorno, isto significa uma transformação social. As massas, com ajuda das técnicas se sentirão mais próximas das coisas distantes e sagradas. Benjamim vê nas técnicas e nas massas uma forma de emancipar a arte.

Enquanto, os pensadores europeus entendiam a cultura de massa como forma de degradação da cultura, os teóricos norte-americanos das décadas de 40 e 50 tinham uma visão da cultura de massa totalmente oposta a da Escola de Frankfurt. Para estes, a cultura de massa é pluralista, pois, facilita o acesso das classes sociais à cultura, e legitima a democracia. Martin-Barbero (2003) mostra que, para o teórico norte americano Daniel Bell a sociedade só se torna pensável a partir da sua nova revolução, o surgimento da sociedade de consumo. Nota-se uma mudança no estilo de vida das pessoas, as mudanças ocorrem não só no âmbito da política. Caldas (1986) revela que, diferentemente da visão de Adorno. Bell vê nesta sociedade a elevação dos padrões educacionais, o aumento da riqueza e do lazer.

Martin-Barbero acredita que os teóricos norte-americanos vêem a sociedade de massa como princípio de uma nova cultura, que se faz possível através dos meios massivos. A função mediadora é realizada pelos meios de comunicação de massa. A crítica social se passará então de política para cultural.

No final da década de 60, o pensamento de Edgar Morin (1972), se destaca por tentar combinar o pessimismo da Escola de Frankfurt com o otimismo dos teóricos norte-americanos. Para Morin (1972), a indústria cultural não é apenas a racionalidade da cultura, mas também o modo peculiar com que vão se organizar os novos processos de produção cultural.

O autor ressalta que, os meios de comunicação de massa são veículos acumuladores e aceleradores culturais, onde podemos notar o desenvolvimento e o aumento da circulação de informações. Martin-Barbero mostra que Morin define a indústria cultural como: “conjunto dos ‘dispositivos de intercâmbio cotidiano entre o real e o imaginário, dispositivos que proporcionam apoios imaginários’ à vida prática e pontos de apoio prático a vida imaginária” (MORIN, 1962, citado por MARTIN-BARBERO, 2003: p.94).

É a partir daí, segundo Martin-Barbero (2003), que surge a verdadeira mediação, ou seja, a função do meio, esta comunicação entre o real e o imaginário, pois a maioria dos homens, incapaz politicamente e socialmente, necessita de um imaginário em seu cotidiano para poderem viver. Esta afirmação justifica o sucesso de vários programas de rádio e televisão, em especial, as telenovelas.

Para Teixeira Coelho (1996) a cultura de massa surge com os primeiros jornais e se destaca com os romances de folhetim, uma chamada arte fácil, servindo de meio simplificador para mostrar a vida naquela época. Segundo Coelho (1996) esta acusação é feita também hoje às telenovelas. Uma característica apontada pelo autor é que na cultura de massa os produtos não são feitos por quem os consome.

A mesma acusação é feita por Aranha (1992) argumentando que os produtos da indústria cultural são destinados à sociedade de consumo, respondendo ao gosto médio da população, para a autora, a cultura de massa é feita por modismos, destinados a um público semiculto e passivo, o povo é alvo da produção. A indústria cultural visa a diversão como forma de passar o tempo. A autora também cita a alienação causada ao povo e a indústria cultural que os torna passivos, sem consciência de si como grupo social, e é aí que consiste o perigo dos meios de comunicação de massas, ao tornarem o público incapaz de transformar a realidade.

Coelho (1996) aponta que, de um lado, a indústria cultural aliena, pois, com a diversão o indivíduo foge da realidade, reforçando as normas sociais, e gerando o conformismo social. Por outro lado, Coelho (1996) acredita que as produções da indústria cultural beneficiam muitas vezes o desenvolvimento do homem. Nota-se, atualmente, que as crianças dominam a linguagem mais cedo, devido ao acesso a televisão. O acúmulo de informações acaba contribuindo na formação do indivíduo.

MEDIAÇÃO E CULTURA DE MASSA

Pode-se entender que, no século XIX, devido ao fenômeno de industrialização, surge a cultura de massa. Martin-Barbero (2003) aponta que esse movimento traz mudanças na função social da própria cultura. A presença das massas se torna um fato político, fazendo parte da esfera da comunidade, dos assuntos do povo, onde será possível a entrada de outras camadas da sociedade. Para o autor, é nessa forma que a cultura se modifica em sua função, o vazio da desintegração do público será ocupado, então, pela integração do massivo. Nesta cultura, as diferenças sociais serão escondidas e negadas. Martin-Barbero vê as massas como “(…) o modo como as classes populares vivem as novas condições de existência, tanto no que eles têm de opressão quanto no que as novas relações contêm de demanda e aspirações de democratização social”. (MARTIN-BARBERO, 2003: p.181 )

Na opinião do autor, a cultura se transforma em espaço de hegemonia, passando então a mediar, encobrindo as diferenças, juntando os gostos. A mediação de massa está ligada a uma sociabilidade, que, segundo o autor, realiza uma abstração da forma mercantil na materialidade tecnológica da fábrica e do jornal, e, numa mediação que cobre o conflito existente entre as classes onde a resolução se encontra no imaginário.

Entende-se cultura de massa, como um “(…) conjunto de meios massivos da comunicação”. (ibid: p.203).Ela não é pensável em suas articulações com a hegemonia, onde há espaços para a reconciliação de classes e de diferenças sociais. Para Martin-Barbero (2003), a transformação cultural não surge através dos meios, mas estes, passarão a desempenhar um papel de suma importância no século XX.

O maior desenvolvimento dos meios acontecerá nos Estados Unidos. No caso da América do Norte, Martin-Barbero (2003) afirma que a cultura de mediação é forjada entre duas semânticas: a primeira, dos interesses econômicos de um país cada vez mais monopolista, aproveitando da frágil presença do Estado; a segunda trata da existência de uma grande e poderosa sociedade civil, que defende e amplia a liberdade. Inúmeros fatores favoreceram a ascensão massiva nos Estados Unidos, dentre eles, podemos destacar: a falta de centralização estatal, a abolição de altos impostos sobre a imprensa e o rompimento com regras tradicionais na elaboração e organização de jornais. Um dos grandes exemplos da produção massiva é a indústria de cinema norte-americana dominante em todo mundo.

O surgimento dos meios de comunicação na América Latina possui suas peculiaridades. A partir dos anos 20, a maioria dos países da América Latina passa por um processo de reajuste de suas economias e de sua estrutura política. Neste contexto, surge um novo nacionalismo, baseado na concepção de cultura. Segundo Martin-Barbero (2003), essa idéia de nação incorpora o povo de diversas culturas, com o principal desejo de unificar a nação.

No princípio dos anos 60, a visão de nação ligada à modernidade, será deixada de lado e em seu lugar, surgirá a idéia de desenvolvimento. Para Martin-Barbero (2003), o massivo passará a ser um dos meios de homogeneizar e controlar as massas, mesmo onde não houver massas haverá massificação, e os meios se formarão no espaço da simulação e de desativação das relações.

O autor mostra que é necessário entender como se constitui o massivo a partir das culturas subalternas. No espaço da comunicação, é possível pensar bloqueios e contradições que movimentam a sociedade a partir de um caminho entre subdesenvolvimento acelerado e uma modernização compulsiva. O centro do debate passará dos meios para as mediações, ou seja, as articulações entre práticas de comunicação e movimentos sociais.

No caso específico da televisão, Martin-Barbero (2003) mostra que este meio na América Latina traz mais dispositivos ideológicos, passando uma imagem de democratização desenvolvimentista. A televisão unifica a demanda para expandir o seu mercado hegemônico. Ele ainda a acusa de imitar a TV norte-americana, porque tende a criar um único público no qual as diferenças são absorvidas. No entanto, apesar de massificada, a imprensa refletirá diferenças culturais e políticas. Sobre esse paradoxo da televisão o autor aponta:

Ao conectar o espetáculo com a cotidianidade, o modelo hegemônico de televisão imbrica em seu próprio modo de operação um dispositivo paradoxal de controle das diferenças: uma aproximação ou familiarização (grifo do autor) que, explorando as semelhanças superficiais, acaba nos convencendo de que, se nos aproximarmos o bastante até as mais ‘distantes’, as mais distanciadas no espaço e no tempo, se parecem muito conosco; e um distanciamento ou exotização (grifo do autor) que converte o outro na estranheza mais radical e absoluta, sem qualquer relação conosco, sem sentido para o nosso mundo. (ibid: p.263)

Na visão de Martin-Barbero (2003), o estudo sobre os meios de comunicação deve ser feito a partir das mediações dos locais onde se situam as construções que delimitam e configuram a materialidade social e a expressividade cultural. Sobre o estudo da televisão, ele propõe três lugares da mediação: a cotidianidade familiar, a temporalidade social e a competência cultural.

O autor vê a cotidianidade familiar como lugar social de questionamento para os setores populares. Neste ambiente, os indivíduos se confrontam como pessoas, e podem mostrar suas ânsias e frustrações. A família é um espaço de leitura e codificação da TV. A mediação da cotidianidade familiar no âmbito da televisão inscreve suas marcas no discurso televisivo.

No que diz respeito à temporalidade social podemos notar que o tempo organizado na televisão não é feito de unidades contáveis, mas sim, de fragmentos e repetições. Na TV, o tempo possui rentabilidade e gêneros. Cada programa possui seu gênero e seu tempo.

Por último, cabe ressaltar a competência cultural, segundo Martin-Barbero (2003), a televisão não é discutida como assunto de cultura, mas sim, de comunicação. No entanto, para ele, a TV é a própria noção de cultura “sua significação social, o que está senso transformado pelo que a televisão produz e em seu modo de reprodução” (ibid: p.310). O autor afirma que a dinâmica da televisão atua pelos gêneros, e a partir daí ativa a competência cultural e dá conta das diferenças sociais. Os gêneros, articulando as serialidades se tornam mediação entre as lógicas do sistema produtivo e do sistema de consumo.

TELEVISÃO: PRINCIPAL MEIO DE COMUNICAÇÃO DE MASSA

A televisão é qualificada como principal meio de comunicação devido sua acessibilidade a todos os extratos da sociedade. Acosta-Orjuela (1999) mostra que, em 50 anos de criação da TV, o número de aparelhos chegou a aproximadamente a 900 milhões. No caso brasileiro de cada 10 lares, oito possuem televisão, segundo o autor, o número de pessoas que assistem televisão corresponde ao dobro daqueles que lêem jornais e revistas.

De acordo com Dantas, enquanto em 1980, 12% dos domicílios possuíam telefone, 55% possuíam TV. Hoje no Brasil o número de domicílios que possuem televisão corresponde a 90,5%. (Segundo dados IBGE, disponível em http:// www.ibge.com.br/brasil_em_sintese/default.htm.) Almeida (2003) ressalta que a televisão se espalhou pelo país, penetrando nos lares brasileiros, o que permite deduzir, que, para uma parcela considerável da população brasileira a televisão é a única forma de acesso à informação.

Apesar de jovem, a televisão é um aparelho que atende as necessidades humanas antigas. Para Marcondes Filho, (1988) a TV fantasia situações necessárias ao dia a dia do homem. Os homens vivem em dois mundos: o mundo das coisas práticas, aquele em que se situam todas as suas obrigações, como trabalho, estudos, normas, etc. E o mundo das fantasias, totalmente mental e subjetivo, cheio de sonhos e é esse mundo que move o mundo real. A televisão se encaixa neste segundo mundo, trazendo fantasias e situações irreais para o telespectador.O autor (1988) acredita que a televisão além de distrair, informa as pessoas, funcionando como um meio de atualização, entrando na casa das pessoas e se tornando da “família”.

Acosta-Orjuela (1999) sugere que, a TV, sendo o meio de comunicação que mais absorve, influencia diretamente no pensamento e na ação das pessoas. Os indivíduos assistem TV para satisfazerem seus interesses e necessidades. Muitas pessoas vêem televisão porque ela tem a capacidade de suprimir aspectos desagradáveis: “As pessoas usam a TV como antídoto contra o enfado, o aborrecimento, a solidão, a insatisfação nas relações sociais, para modificar o estado de ânimo e se evadir das lembranças incômodas” (ACOSTA-ORJUELA,1999:p.61). A TV promove a fuga do cotidiano, proporcionando a distração dos problemas vividos pelas pessoas.

As camadas menos favorecidas da sociedade se apropriam da televisão porque não dispõem de outra opção de lazer, elas também buscam na TV uma forma de instrução, pois para o autor, ela ensina sem exigir habilidades acadêmicas, as pessoas utilizam este meio para solucionar problemas cotidianos e pessoais. Na TV, elas aprendem sobre o mundo e sobre os outros. Este fato torna estas camadas mais vulneráveis às influências televisivas, para Acosta-Orjuela (1999) as emissoras brasileiras acabam se nutrindo destas classes.

Otávio Ianni (2000) aponta que a televisão não pode ser considerada apenas como uma observadora e repórter de eventos, pois ela se encontra dentro destes eventos, sendo parte daquela realidade. Ele define a televisão como:

“Um meio de comunicação, informação e propaganda presente e ativo no cotidiano de uns e outros, indivíduos e coletividades, em todo mundo. Registra e interpreta, seleciona e enfatiza, esquece e sataniza o que poderia ser a realidade e o imaginário. Muitas vezes transforma realidade, seja em algo encantado, seja em algo escatológico, em geral virtualizando a realidade em tal escala que o real aparece como forma espúria do virtual.” (IANNI, 2000: p.150).

Ianni (2000) mostra que a mídia realiza as implicações da indústria cultural, combinando produção com reprodução cultural com produção e reprodução de capital, informando e formando a população. Ela contribui para formar a opinião pública e estabelecer um consenso democrático, exercendo assim, uma forma de autocontrole da sociedade.

No caso brasileiro a televisão possui suas peculiaridades. Segundo Hoineff (1996), a sociedade contextualizada com a má distribuição de renda, concentracionismo da teledifusão, a alta qualidade da teledramaturgia somada a uma população fragmentada com identidades culturais diversas fizeram da televisão uma expressão da realidade.

Esther Hamburger (2005) aponta que o número de aparelhos televisivos aumenta no período de desenvolvimento econômico. Isto ocorreu na década de 1970 nos anos do ‘milagre econômico’ e na década de 1990 com surgimento do Real. Segundo ela, “… a televisão brasileira desenvolveu uma estrutura original, combinando propriedade comercial com diferentes formas de intervenção estatal” (HAMBURGER, 2005: p.22). O Estado Brasileiro defendeu as fronteiras nacionais contra as influências dos vídeos estrangeiros.

Na década de 1980, percebia-se que a maior parte da programação exibida em horário nobre, era produzida no Brasil.Os programas considerados “enlatados” eram transmitidos em horários onde a audiência não era tão alta. Baseado nisso, muitos autores afirmam que a abertura para a importação de programas não levará a uma colonização cultural, pois, a produção brasileira é de melhor qualidade e mais popular do que a estrangeira.

No Brasil, a indústria televisiva se consolidou em conexão com o Estado sob o regime militar, o governo investiu na infra-estrutura e controlou a programação através da censura. Mas apesar da intervenção a televisão continuou sendo de natureza comercial privada. Para Hamburger (2005), ela fez o papel de ‘integrador nacional’ articulando a pressão nacional com as forças do mercado.

Outra especificidade do caso brasileiro que a autora aponta são as novelas. Não se podia imaginar que este tipo de programa, surgido através da soap opera (óperas de sabão), (Composto da palavra soap (sabão, sabonete) + opera (ópera). Sua origem não é tão antiga. O rádioteatro a partir dos anos 30 e a televisão a partir dos anos 50 nos EUA, popularizaram os dramas melodramáticos retratando situações domésticas cotidianas. Na época, a indústria de cosméticos não dispunha da mesma variedade de produtos de beleza como atualmente. Os produtos utilizados para a beleza eram apenas os sabonetes. O fato de grande parte da população feminina assistir a esses programas faziam com que as empresas de sabonetes se tornassem patrocinadoras dos melodramas, dando origem ao termo soap opera.) dirigidas ao público feminino pudesse se tornar palco principal da problematização da nacionalidade e dominassem o horário nobre deste meio de comunicação. As novelas atingem um público heterogêneo, de diversas idades, classes e regiões do país. Elas passaram a ser o principal produto da indústria cultural brasileira, passando a ser exportada para diversos países do mundo.

MOCINHA OU VILÃ

Muito se tem criticado a televisão, conforme Hoineff (1996), apesar da televisão brasileira ter desenvolvido um sólido suporte técnico e econômico, e uma dramaturgia invejável, ela não desenvolveu novas formas e idéias e não fizeram muito pelas transformações sociais. Ele entende o sucesso como aquilo que é massivamente consumido, o consumo como emocional, não cerebral. A televisão retira os elementos culturais que colaboram na formação de identidade de grupos sociais.

Os defensores da televisão argumentam que ela retrata a vida cotidiana, sendo um espelho para o mundo. Di Franco (1996) discorda desta afirmação, acreditando que a grande quantidade de violência e o mau gosto transmitido pela televisão, não retrata a realidade vivida pala maioria da população. Segundo ele, a TV é tecnicamente competente, porém, refém da irresponsabilidade social. Talvez se faça necessário, destaca Di Franco (1996), a intervenção do Estado na defesa da sociedade contra os efeitos da contaminação moral e da descaracterização cultural. A televisão necessita de limites, do contrário, ela pode se tornar uma “seqüestradora de cidadania”.

Acosta-Orjuela (1999) afirma que a preocupação principal com o surgimento da televisão era fazer dela uma ferramenta de ensino, porém, as emissoras brasileiras não têm compromisso social, não podendo ensinar aos cidadãos. Quando se refere às telenovelas ele as caracteriza como “… um dos subprodutos mais deploráveis e alienantes da TV” (ACOSTA-ORJUELA, 1999: p.131). As redes de televisão brasileiras, na maioria das vezes, se nutrem das classes populares.

Para Marcondes Filho (1988), o fato de o telespectador receber a imagem gratuitamente faz com que ele não seja crítico diante da programação. A emissora, então, busca somente o aumento do público, rebaixando a qualidade dos programas, importando somente com o seu valor mercadológico. O autor ainda ressalta que os meios de comunicação de massa refletem as normas sociais, confirmando as opiniões gerais, atuando de força conservadora.

Ribeiro (2005), porém, não concorda com esta visão pessimista sobre a televisão. É claro que não se deve elogiar a televisão totalmente, nem tão pouco elogiá-la como um todo. De acordo com ele, por volta da década de 1960, os estudiosos da TV a acusavam de totalitária. Eles consideravam que a TV não via divergências, colocando nas pessoas os mesmos desejos e repulsas.

Hoje, no entanto, não podemos tratá-la como totalitária, pois quando recebemos uma mensagem nós a recriamos. A novela, por exemplo, muda de acordo com as reações do seu público. A TV para ele é um portal onde se negocia a parte fraca (telespectadores) e a parte forte (os anunciantes).

A cidadania na qual vivemos hoje depende do acesso a mídia eletrônica. Em Ribeiro (2005) a cidadania não está vinculada somente ao direito de ver TV, mas também, de ter sua cultura exibida nela, em razão de que ela dissolve costumes locais e gera exclusão.Porém, se de um lado a TV exclui, por outro ela integra. Nota-se cada vez mais presentes nas mídias membros de camadas populares, como pagodeiros, rappers, funkeiros, etc.

Não se pode negar que a televisão mexeu nos papéis convencionais do casal, na expressão mais livre das emoções, e, reforçou o processo de individualização, no que se refere à emancipação do indivíduo perante a uma certa tradição, como conseqüência à mudança dos costumes. Para Ribeiro (2005) devemos nos concentrar nos costumes, pois é partir deles que podemos constituir a democracia de nosso país.

TELENOVELAS: PRINCIPAL PROGRAMA DA TELEVISÃO BRASILEIRA

Trata-se do gênero televisivo mais popular da televisão brasileira. A novela é um produto indispensável e permanente. Para Marcondes Filho (1988) sugere que as novelas produzem emoções, mexendo com mecanismos mentais, fortes e decisivos. O objetivo do público ao assistir uma telenovela, é entrar inteiramente no social, no conhecimento e no domínio das regras da sociedade, elas atuam como método de controle social.

O autor ressalta que as telenovelas permitem sensações no qual o indivíduo não teria na vida real, principalmente, no que se refere aos sentimentos. As telenovelas despertam lembranças felizes, cheia de emoções na memória do telespectador.

Diante de uma vida problemática e sem esperanças, da necessidade de ganhar dinheiro, de ter uma casa ou um negócio próprio, de encontrar um companheiro, diante das exigências do trabalho, das contas a pagar e dos compromissos, a esfera emotiva das pessoas retrai-se. A vida que a televisão mostra é então, para o homem e para a mulher, uma verdadeira troca, com vantagens, de sua vida real.(MARCONDES FILHO, 1988: p.60).

A estrutura deste gênero é feita de forma descontínua e fragmentada com miniquadros, que são separados pelo intervalo comercial. Quando se refere às telenovelas, Machado (2003) a caracteriza como sendo uma única narrativa que acontece de forma mais ou menos linear ao longo dos capítulos. Ela é como uma construção teleológica, pois se trata de apenas um ou mais conflitos básicos, surgidos no início da trama, que, na maioria das vezes se resolve nos últimos capítulos, o que não impede a inserção de outros problemas periféricos no decorrer da narrativa.

Para Machado (2003), a televisão se apropria deste modelo de serialidade porque ele funciona de acordo com o modelo industrial, adotando uma produção em série. A exigência de uma produção em larga escala permite a criação de vários programas diferentes

Hamburger (2005) mostra que o formato da novela diária e transmitida em horário nobre é uma grande forma de atrair audiência. A novela é um forte espaço para propaganda, onde os telespectadores são transformados em consumidores. A autora afirma que a novela é policlassista, atingindo a um público diversificado, sendo um mecanismo para mediar as diferenças, elas captam e expressam a dinâmica de luta por inclusão social.

Em seu estudo de caso realizado sobre a novela Mulheres Apaixonadas (2003), Tonon (2004) afirma que as telenovelas pertencem ao universo de significação, discussão e introdução de hábitos e valores que influenciam e ao mesmo tempo são influenciados pelos receptores. As telenovelas só obtêm resultados se privilegiarem temáticas que estão relacionadas ao cotidiano do telespectador.

Durante as décadas de 1970 e 1980, as novelas alcançaram níveis de audiência exorbitantes, e o número de telespectadores crescia cada vez mais. De acordo com Hamburger (2005), a novela Selva de Pedra (1972), em sua primeira versão, chegou a atingir 100% de audiência. Esta percentagem, no entanto, se referia a um número restrito de domicílios, situados aonde havia acesso ao sinal da televisão. Nos anos 80, com o aumento de aparelhos televisivos, os índices de audiência em novelas como Roque Santeiro (1985) e Vale Tudo (1988) chegou à cerca de 70%.

Na década de 1990, os índices de audiência caíram consideravelmente. De acordo com Hamburger, (2005) esta queda ocorreu devido à diversificação da indústria televisiva, do aumento do número de videocassetes dos domicílios, a emergência dos canais por assinatura, e da concorrência com outras emissoras, além da Rede Globo, outros canais como SBT, Record e Manchete, investiram na produção de telenovelas.Além destes, a autora ressalta dificuldades na criação de representações compatíveis com a sociedade brasileira. É a partir daí que surgem as novelas de intervenção, tornando-se palco para a problematização da nacionalidade.

NOVELAS EDUCAM?

Hamburger (2005) mostra que em pesquisas de campo realizadas em várias cidades evidenciam a relação pedagógica com a TV. Segundo ela, os telespectadores acreditam que aprendem enquanto assistem às novelas, pois elas abordam temas polêmicos, gerando uma discussão sobre o assunto.

Acosta-Orjuela (1999) defende a perspectiva de que a TV é como uma grande ferramenta para incentivar comportamentos pró-sociais como o altruísmo, controle de impulsos agressivos, etc. a conduta de um modelo na TV ensina novas respostas, atinge as normas sociais e informa as conseqüências a cada tipo de conduta. As telenovelas, como ele exemplifica podem contribuir para a mobilização de grandes massas da população na prevenção e solução de problemas sociais.

Umas das maneiras adotadas para abordar estes temas nas telenovelas é utilizando o merchandising social2. Com este dispositivo, é possível inserir dentro das telenovelas temas polêmicos, ou campanhas que beneficiem uma determinada parcela da população.

Dentre várias novelas que utilizaram o merchandising social em seu contexto podemos destacam-se: Explode Coração (1995), de Glória Perez, que mostrava o drama de uma mãe que teve seu filho desaparecido. A ficção se misturava com a realidade, quando mães que na vida real haviam perdido seus filhos apareciam na novela com suas fotos. Muitos telespectadores entraram em contato com a emissora, com pistas sobre a localização de algumas crianças. O Rei do Gado (1996), de Benedito Ruy Barbosa e objeto da análise etnográfica de Heloisa Buarque de Almeida, apontou a temática dos sem-terra. Segundo a autora, o fato de tratar de temas políticos, fez com que a novela aparecesse em jornais na seção de política, não somente na área de cultura ou de entretenimento. Laços de Família (2000), de Manoel Carlos, relatou o drama da personagem Camila que sofria de leucemia.Durante o período de exibição da novela, o número de doadores de medula óssea aumentou. Em 2001, O Clone, de Glória Perez abordou o problema das drogas. Ex-viciados deram depoimentos durante a trama. América (2005) desta mesma autora, que será analisada na sessão seguinte, também inseriu o merchandising social, apontando as dificuldades e preconceitos que os deficientes visuais sofrem em nossa sociedade, a questão da imigração ilegal de muitos brasileiros para os EUA e o homossexualismo.

Apesar da abordagem social observada nas novelas, Almeida (2003) aponta que os aspectos sentimentais são mais observados pelos telespectadores, como separações, traições, conflitos amorosos e familiares, etc. Hamburger (2005) afirma que, na novela O Rei do Gado (1996), por exemplo, a discussão no âmbito político não chamou a atenção dos telespectadores, estes, não se mostraram tão envolvidos na temática.

Porém, no que se refere aos costumes, as telenovelas exerceram um papel fundamental na construção da sociedade brasileira. Ribeiro (2005) aponta que estes programas possuem um caráter positivo na transmissão de certos ideais, ela aprofunda as discussões e contribuem com mudanças na vida atual. A novela mexe com o sentimento das pessoas. Para Almeida (2003) a novela exerce uma educação sentimental, as pessoas entram em contato com situações e sentimentos e através deles refletem sobre suas vidas. Ela trata de referências culturais em mudança, ela tem a capacidade de colocar um mundo distinto próximo do seu mundo.

Para Ribeiro (2005), a telenovela se concentrou em mexer nos costumes tradicionais, assuntos como machismo, preconceito, são sempre refutados nestes programas. As telenovelas possuem seu alcance social porque nelas se presenciam situações cotidianas. Dos programas de TV, as telenovelas são as que mais valorizam os costumes: “Em que pesem seus problemas, a novela é o gênero de nossa TV que melhor exprime um ideal de justiça e um sonho de felicidade” (RIBEIRO, 2005: p.23).

Hamburger (2005) aponta que a novelas têm a capacidade de extrapolar limites convencionais, através delas, os telespectadores mobilizam seus dramas pessoais, quando se comentam as novelas, os indivíduos se posicionam interpretando seus dramas. Por misturar notícia com ficção a autora define as novelas como:

“…a utopia de um espaço público totalmente visível, aberto à interação generalizada. Como gênero mais popular de programação televisiva, passam ao largo da autoridade da família, da escola, da Igreja, do Estado, fazendo o controle daquilo que deve ou não deve se tornar público, onde quando e como, uma questão polêmica em si.” (HAMBURGER, 2005: p.168)

Almeida (2003) considera as telenovelas realistas por tratarem de sentimentos humanos. Apesar de colocar o telespectador em situações muito distintas daquilo que vivem, ela os familiariza com este mundo, utilizando sentimentos e relações sociais, permitindo a compreensão destas situações. A telenovela traz novas informações ao telespectador, mostrando ao mesmo tempo a vida de um personagem rico e de um personagem pobre, estilos de vida conservadores e modernos, etc. Ela mostra uma infinidade de situações embora centrada em uma determinada temática.

OBSERVAÇÕES ACERCA DA TELENOVELA AMÉRICA (2005)

A novela América (2005), de Glória Perez, exibida em horário nobre pela Rede Globo, que foi ao ar do mês de março de 2005 ao mês de novembro deste mesmo ano. Durante seu período de exibição a novela mesclou inúmeros temas em seu roteiro, como a imigração ilegal, a vida dos deficientes visuais, a cleptomania, o homossexualismo, a experiência de quase-morte e o relacionamento de uma adolescente com um homem de mais de cinqüenta anos.

A pesquisa feita sobre a novela América (2005) foi de caráter qualitativo. A observação dos telespectadores possibilitou analisar a relação existente entre o emissor e o receptor. No período compreendido de agosto a novembro de 2005, três famílias foram observadas com os registros de seus comentários e atitudes enquanto era exibida a novela.

CARACTERÍSTICAS

Dona Ana (todos os nomes dos telespectadores observados neste trabalho são fictícios) com 76 anos reside em um barracão com três cômodos com sua filha Carmem de 55 anos. Freqüentadoras de Igrejas Evangélicas, Dona Ana da Igreja Universal, enquanto Carmem é Testemunha de Jeová. Elas assistiam à novela assiduamente, e sempre criticavam a vida que os personagens levavam, notando um tom de conservadorismo nos comentários feito por elas.

Dona Ana e Carmem ficaram indignadas quando Glauco, (vide anexos com a descrição dos personagens da telenovela) um empresário de quase cinqüenta anos que resolve assumir seu romance com Lurdinha, uma adolescente amiga de sua filha. Para elas, ele é um homem vagabundo, é uma falta de vergonha namorar uma menina mais nova, e que é ridículo um homem mais velho querer fazer coisas de gente nova. Dona Ana afirma que isso é um mau exemplo para a sociedade: “… um homem velho com menininhas com idade de ser pai. Lurdinha fez do Glauco um palhaço, porque ele tá ridículo. As meninas de hoje só pensam no presente, no momento”.

Nota-se que, quando a novela se refere a uma quebra de tradição, há uma grande resistência da sociedade em aceitar aquela situação. Na casa de Dona Ana sempre havia comentários criticando a atitude dos personagens. Quando Júnior apareceu bêbado em um capítulo Dona Ana disse: “O povo vira uma malandragem quando bebe”. Este comentário não foi feito somente porque o personagem havia ingerido bebida alcoólica, mas sim, porque os telespectadores sabiam da preferência sexual de Júnior, sufocada para satisfazer o gosto de sua mãe, a fazendeira Dona Neuta. Quando o personagem Zeca, que fez par romântico com Júnior, entra na trama, Carmem fala: “Vai começar a sem-vergonhice!”.

Almeida (2003) observa em seu trabalho sobre o Rei do Gado (1996), que as pessoas acompanhavam a novela como parte comum do seu cotidiano, o que permitia que se pensassem em assuntos sobre relacionamento, família e amor. Esta observação também se aplica no caso de América (2005). As pessoas falavam dos personagens como se fossem vizinhos, amigos ou membros da família, permitindo discutir com naturalidade os temas por eles abordados.

Lourdes, 52 anos, tem duas filhas. Mora com a filha mais nova de 23 anos. A filha não assiste à novela porque está na faculdade, e, mesmo quando não tem aula, segundo Lourdes, sai com o namorado, não gosta de assistir novelas. Lourdes adora assistir América(2005), acha cômica, engraçada demais. Ela procura se informar sobre tudo o que acontece nas novelas e com os respectivos atores, através de revistas e programas de fofoca. Lourdes nem sempre ficava indignada com o comportamento dos personagens como Dona Ana e Carmem, mas sempre fazia comentários a respeito dos acontecimentos ocorridos na trama. Quando Simone vai embora e deixa Tião porque está com ciúmes de Sol, Lourdes afirma: “Olha o que o ciúme não faz… esses casamentos que faz pra esquecer os outros sempre dá nisso”. Segundo Lourdes, Simone quase obrigou Tião a ficar com ela.

Na cena em que Haydée, personagem que sofre de cleptomania, rouba um objeto, Lourdes fica assustada e me pergunta: “Existe isso, né?..Essa doença…ela tem o prazer em roubar, é só ela ficar nervosa”. Durante o intervalo da novela, Lourdes assistia outra novela, Os ricos também choram (2005) do SBT. Segundo ela, os intervalos são muito grandes, durante este tempo, ela sempre conversava comigo sobre sua vida, trabalho, etc…

Almeida (2003) aponta que as pessoas possuem a capacidade de se focalizarem nas novelas e se compararem com os personagens. Este fato pode ser comprovado com a emoção de Lourdes, que, ao ver Sol com seu nenê com problemas de coração, correndo risco de vida, me conta que perdeu um bebê com 9 meses idade pela mesmo problema que sofria o filho da protagonista. Em uma cena, em que a Sol ao olhar para seu filho começa chorar, Lourdes enche os olhos d’água e fala: “É duro né?”.

Lúcia tem 47 anos, mora com o marido João, dois filhos e seu neto.Luiza, sua filha mais velha, de 24 anos sempre assistia a novela com sua mãe. João não gostava de novelas, geralmente ia dormir após o Jornal Nacional. Paulo de 20 anos, só assistiu à novela em seus últimos capítulos, principalmente no dia em que Creuza, a falsa puritana é encontrada em casa com um homem desconhecido.

Lúcia tem uma visão muito diferente das pessoas acerca da novela. América para ela é uma novela séria, não tem só sexo, tem muita coisa boa. Ela considera as novelas da Rede Globo muito boas, o que não gosta muito é que sempre há debates sobre o espiritismo. “Tá uma onda de espiritismo nas novelas da Globo, né?” (referindo-se também, a Alma Gêmea, novela das seis,deste mesmo período, que aborda a reencarnação como um dos seus principais temas). Lúcia é católica e freqüenta grupos da Igreja, acha bonito quando os peões entram no rodeio e pedem a proteção de Nossa Senhora Aparecida, e quando a Consuelo pede a proteção de Nossa Senhora de Guadalupe, e reitera: “A novela é muito bonita!”. Ela adora a parte da novela que toca a música de Nossa Senhora Aparecida, e afirma que tem muita gente que não acredita em milagre. Quando Tião se encontra em estado de coma, os peões da cidade de Boiadeiros se unem para rezar por ele, Lúcia desabafa: “Eu fico toda arrepiada com esses negócios…”.

Para Lúcia, a família é o mais importante, e a novela nem sempre valoriza a família. “A novela devia dá privilégio à família, acho que Lurdinha e Glauco não vão ficar juntos, mas Haydée que acabou o casamento primeiro”. Ela também mostra o desejo que o jovem casal Helô e Neto terminem juntos, para valorizar a família.

Segundo Lúcia, uma mãe faz tudo pelo seu filho, quando Sol atravessa ilegalmente, ela afirma que não se arriscaria nunca a fazer isso, mas Sol está lutando pelo seu filho, e que a causa é justa. “Você sabe que tem muita gente que enfrenta isso mesmo, Sol tá numa causa justa porque tem o filho dela, mas tem gente que faz isso achando que vai ficar milionário. Eu não tenho coragem”.

Outra parte da novela em que Lúcia argumentou que o amor de mãe deve ser incondicional, é quando Júnior revela para sua mãe, sua preferência sexual. Apesar da reação de sua mãe, de não aceitar a opção de seu filho, Lúcia afirmou que ela vai entender, a opção sexual não importa, desde que ele seja carinhoso com a mãe. Lúcia, porém, confessou que não está acostumada ainda com o homossexualismo: “Eu aceito o que a pessoa quer, mas é engraçado, é estranho, eu não radicalizo, mas é estranho”.

Dois casais durante a novela se destacaram por gerar sentimentos opostos entre os telespectadores. Apesar da diferença de idade, Dinho e a Viúva Neuta agradaram a maioria das pessoas observadas que assistiam à novela, como exemplos, Lúcia e Lourdes que declararam uma grande simpatia pelo casal. Lúcia afirmou: “Por mais que ela seja mais velha, eu acho bonitinho o amor dos dois”.

O romance entre Glauco e Lurdinha indignou muitas pessoas. A maioria dos telespectadores observados afirmou que não queriam que eles terminassem a novela juntos. O fato desta antipatia gerado pelo casal pode ser observado quando Almeida (2003) fala sobre a perca da individualidade. A personagem Léia em o Rei do Gado (1996) perde sua individualidade ao permanecer com o amante violento Ao se relacionar com Lurdinha, Glauco perde sua individualidade, se tornando um homem diferente em função dela, ele muda seus hábitos de sair, comer e vestir para satisfazer as vontades dela. Indignada Carmem afirma: “Coisa feia é homem que vira ao contrário, ridículo homem velho que quer fazer coisa de gente nova”.

No caso de Dinho e a Viúva Neuta a história é diferente: cada um tem a sua independência, cultivando sua individualidade. O fato também de ser um relacionamento escondido pode fazer com que as pessoas reavivam suas memórias com desejos e lembranças.

Dos temas polêmicos abordados na novela um dos que engendrou repercussão entre os telespectadores foi a imigração ilegal. A experiência vivida por Sol para entras nos Estados Unidos fez com que as pessoas refletissem sobre a realidade de muitos brasileiros. “Isto é bom porque mostra a realidade”, afirmou Lúcia.

Quando Sol é deportada para o Brasil, Carmem diz que isso é uma humilhação, se fosse com ela, nunca mais queria ouvir falar dos Estados Unidos. Indignada com a situação de Sol, Dona Ana desabafou: “Se os Estados Unidos for igual passa na novela, não vale a pena o esforço de tentar entrar lá. Os meninos não têm liberdade na escola. Todos deveriam adorar o Brasil, faz e falam o que quer. Já passou tanta coisa ruim na novela (…), não é um lugar bom”.

O tema mais polêmico da novela, no entanto, se concentrou em seus últimos capítulos, quando outros programas de TV, como o Fantástico, por exemplo, divulgaram que, no último capítulo, o casal de homossexuais Júnior e Zeca, dariam o primeiro beijo na boca gay de uma novela. A expectativa dos telespectadores foi grande, Lucia se mostrava ansiosa para ver o beijo gay. No entanto, o beijo não aconteceu. Vários veículos de comunicação informaram que a cena foi gravada, porém a Rede Globo a censurou. Este assunto teve grande repercussão na mídia, gerando um debate polêmico se a sociedade brasileira estava preparada ou não para ver esta cena. Muitas pessoas argumentavam: “Não é qualquer pessoa que vai achar normal”. Apesar disso, grande parte da sociedade era favorável ao beijo gay. Martin-Barbero (2003) afirma que a televisão tem a capacidade de aproximar as pessoas dos personagens e dos acontecimentos, familiarizando o que há de mais remoto. Júnior e Zeca foram personagens “do bem”, politicamente corretos, o que agradou o público, conquistando a simpatia dos telespectadores.

ANEXOS

Para que o entendimento do estudo da telenovela América (2005) se dê de forma completa, considero necessário identificar todos os personagens envolvidos na trama. A novela gira em torno de dois personagens principais: Sol e Tião. Os personagens secundários formam uma trama em torno deste eixo central. América possuía três núcleos: Miami, onde mostra a vida dos imigrantes ilegais e também a vida dos brasileiros ricos. Rio de Janeiro, que também mostra a vida de brasileiros ricos, mas também, a agitada vida de um bairro popular, Vila Isabel. E, por último a cidade fictícia Boiadeiros, localizada no interior de São Paulo, onde viviam os peões do enredo. Segue abaixo o nome dos personagens que participaram da trama.

Núcleo Boiadeiros

Tião: Passional, impetuoso e emotivo, Tião venceu o rodeio de Jaguariúna, o que aumenta ainda mais sua fama de peão. A vitória é também um passo adiante na direção de Barretos, onde acontece o rodeio mais importante do Brasil. Tião monta o touro Bandido, onde vivencia a experiência do quase-morte.

Gil: Mulher forte, decidida, com acentuado traço de vulgaridade, Gil sente-se uma estrela, age como uma estrela e impõe aos outros que a tratem como uma estrela. Decidida, forte, emotiva, generosa, ciumenta, rápida nas respostas e em dar o troco a quem a provoque. Não tem medo de cenas nem de escândalos.

May: A vilã da novela é namorada de Ed. Culta e inteligente, está longe de ser uma boa pessoa. É egoísta e individualista.

Neuta: A viúva Neuta é uma mulher decidida, corajosa, do tipo que não leva desaforo para casa. É o tipo da mãe dominadora. Mulher exuberante relaciona-se secretamente com
Dinho. Foi casada com um peão de rodeio que morreu numa montaria em uma cidade bem distante do lugar onde moravam então. Cultua a imagem do falecido, que tem fixado num retrato pregado na parede para servir de modelo e exemplo moral para Júnior.

Detinha: Maria breteira, é apaixonada por peões, fica atrás dos bretes tentando conquistá-los e foge do trabalho para estar sempre rondando as arenas.

Penha: Maria breteira, morre de vontade de ir para os bretes.

Acácio: Pai de Tião e de Geninho deixou a família para ir a busca dos diamantes que estava certo de encontrar.

Adalberto: Adalberto é um fazendeiro próspero, mas bastante simples, que vive numa cidade próxima a Boiadeiros. Viúvo, ele conheceu Mazé num baile e ficou encantado por ela.

Ariovaldo: Locutor de rodeios, filho de Gomes e de dona Graça.

Bebela: Maria breteira também apaixonada por peões.

Bóia: Salva vidas e amigo dos peões.

Cadu: Peão, namorado de Gil.

Carreirinha: Cômico, corajoso e inconseqüente. Não tem juízo. Não tem família, foi criado e jogado de um orfanato a outro e está sempre encostado ou na casa de Tião, ou na casa da viúva Neuta.

Déia: Amiga e confidente de Gil. Está sempre por perto para ouvir a amiga e lhe dar força.

Ellis: Maria breteira, se envolve com peões e larga tudo para seguí-los.

Geninho: Irmão de Tião, apesar de ser muito diferente dele. Vai para São Paulo, após as perdas sofridas pela família, porque não suporta frustrações e porque acredita que poderá construir uma vida melhor numa cidade grande.

Junior: É o adolescente exemplar, o filho que toda mãe queria ter, no dizer das famílias de Boiadeiros. Mas a verdade é que Júnior se sente oprimido pelo peso da figura paterna, sendo obrigado a corresponder a ela.

Mazé: Mãe de Tião e Geninho, Maria José é uma pessoa simples, com bons sentimentos e conformada com a vida. Vê sempre o lado bom das coisas, gosta da paz e da tranqüilidade.

Nick: O peão americano, neto de Miss Jane, é um grande sedutor.

Simone: Veterinária dos rodeios, honesta, romântica, sonhadora. Casa-se com Tião.

Waldomiro: É um “peão de vitrine”: aquele que nunca chegou perto de um touro morre de medo de vacas, bezerros e até de ovelhas, mas anda sempre vestido de peão e conta grandes bravatas com o objetivo de conquistar as mulheres.

Zeca: peão que chega a Boiadeiros para trabalhar para a viúva Neuta. Másculo, forte e bonito, ele está na cidade para cuidar exclusivamente do touro Bandido. Logo de cara, ele e Júnior ficam muito próximos.

Zé Higino: O avô de Tião e Geninho é um homem bom, rude, de grande força moral. Tem a sabedoria das pessoas simples.

Dinho: Amigo de Tião. O peão ao longo da trama vive uma relação secreta com a viúva Neuta.

Núcleo Rio de Janeiro

Irene: Mulher de Laerte, mãe de Kerry e amiga de Haydée. Alegre, espirituosa, esperta, ela está sempre se desentendendo com o marido por causa de dinheiro. É inconseqüente e vive várias situações extravagantes no decorrer da novela.

Laerte: Pai de Kerry e casado com Irene. Homem duro, intransigente e mandão, é também galanteador e mulherengo. Vive uma rixa com Tião por causa do pedaço de terra onde mora a família do peão, que comprova ser de sua propriedade.

Kerry: Filha de Laerte e Irene, namora Júnior.

Glauco: Marido de Haydée, amante de Nina, Glauco larga tudo para viver um romance com Lurdinha.

Haydée: Muito elegante requintada e de bom gosto A descoberta da infidelidade de Glauco a deixa literalmente sem chão, e o fato de que tenha sido trocada por uma adolescente faz com que se sinta insegura como mulher e comece a ter medo da idade. Sofre de cleptomania.

Raíssa: No começo da novela, faz o gênero patricinha, boa aluna e boa moça. . A partir da separação dos pais, muda de comportamento e causa grandes transtornos à vida da família.

Helinho: Advogado, trabalha com Vera e Nina.Ao longo da trama se apaixona por Mari.

Lurdinha: Adolescente típica de seu tempo. Alegre, comunicativa, descolada, está sempre surpreendendo Glauco. Traz muita alegria e também muito tormento à vida do empresário. Na relação com ela, Glauco descobre a real diferença entre a geração de 50 e a de 80.

Manu: Amiga de Raíssa e de Lurdinha.

Radar: É filho de Vera e irmão de Lurdinha, e torna-se um dos aliados ferrenhos de Jatobá na reconquista de Vera. Amigo de Murilinho.

Stallone: Treinador de Jatobá. É um boa-praça que faz bico como garçom. Torna-se amigo de Jatobá e o acompanha em ocasiões sociais.

Vera: Mãe de Lurdinha e de Radar. No passado, viveu um romance com Jatobá, que volta disposto a reconquistá-la. Ela sempre gostou dele, e até admite para si própria que só se casou com o pai de seus filhos para ferir Jatobá.

Creuza: É uma beata sem religião definida. Tudo falsidade. Gosta de seduzir homens que não conhece e viver aventuras

Dalva: Mãe de Farinha. Mora a muitos anos na Europa, onde ganha a vida como artista. Farinha foi criado no Brasil pela avó. Mas o pai do menino é Gomes, que sempre pagou uma pensão ao filho em segredo.

Deco: conhece Jatobá por acaso, quando ele salva o deficiente visual de um espancamento que terminaria em morte. Os dois ficam amigos e Deco passa a freqüentar Vila Isabel. O rapaz torna-se também um grande amigo de Radar.

Diva: Mãe superprotetora de Feitosa, vive se metendo na vida do filho, principalmente no que diz respeito às relações amorosas. Para afastá-lo de Islene,arruma um casamento entre o seu filho e a falsa beata Creuza.

Feitosa: Boêmio alegre, simpático, falante e machista. Professor de mestre-sala numa escola de samba e adora dançar. Namora Islene, mas devido a uma armação de Diva se casa com Creuza.

Farinha: Filho de Graça, apega-se a Gomes mesmo não sabendo que ele é seu pai.

Flor: Filha de Islene. , Maria Flor nasceu cega. Como sua mãe não sabe lidar com sua deficiência, ela a cerca de todos os cuidados, impedindo-a de ir à rua, por exemplo. O contato com Jatobá faz com que ela consiga vencer as barreiras dos deficientes visuais.

Gomes: Dono de uma venda, ex-policial. Fala sempre em linguagem policial e quer organizar sua casa e a rua como se fosse um quartel. Intromete-se na vida de todo mundo. É casado com dona Graça e pai de Ariovaldo.

Graça: Mulher muito prática, sabe bem como lidar com o temperamento difícil do marido. Custa a se manifestar, mas, quando grita mais alto, Gomes se cala.
Islene: Mãe de Maria Flor. Superprotege a filha deficiente visual. Namorada de Feitosa, não é aceita por Diva, a mãe dele.

Jatobá: Deficiente visual. Personagem construído para mostrar que o cego pode ter uma vida independente, e para ser porta-voz das reivindicações dos deficientes visuais. Antigo apaixonado de Vera, volta a sua vida disposto a reconquistá-la. Homem sensível, inteligente, irônico e competente.

Mari: Irmã de Sol. Namora Alex, mas descobre que ele é um canalha. Conhece Helinho e começam a namorar.

Mariano: O padrasto de Sol, a quem criou como filha, é um homem de princípios rígidos e valores morais inabaláveis. É casado com Odaléia e é pai de Mari.

Odaléia: A mãe de Sol e Mari. É casada com Mariano.

Rose: filha de um coronel amigo de Gomes. Por indicação do pai, ela se tornou funcionária do ex-policial, que pretende “enquadrá-la”. Rose tem um visual diferente, nada convencional. Ela se torna amiga de Raíssa, a quem apresenta o mundo do funk.

Nina: Advogada de Glauco. Não trabalha no escritório do empresário, mas está sempre lá para resolver assuntos relativos às causas que defende para ele ou simplesmente arranjando desculpas para vê-lo. É competentíssima no trabalho e completamente ignorante no terreno das relações amorosas.

Murilinho: Mauricinho amigo de Radar que no começo da novela é disputado por Rayssa e Manu.
Núcleo Miami

Sol: Morando nos Estados Unidos, Sol está topando quase qualquer coisa para conseguir uns dólares a mais. Além de dançar e servir numa boate de Miami, ela acaba trabalhando também como faxineira de Ed, que é quem lhe propõe o emprego. Mas May, a noiva de Ed, não vai gostar da novidade e se torna a grande inimiga de Sol.

May: A vilã da novela é namorada de Ed. Culta e inteligente, está longe de ser uma boa pessoa. É egoísta e individualista.

Consuelo: É a dona da pensão e do café onde se reúnem os imigrantes. Alegre, vivaz, dessas que não suportam meias palavras nem meias verdades. Apesar de tanto tempo nos EUA, não aprendeu inglês. Sabe português pela convivência com os imigrantes que já passaram pela pensão.

Alex: Alex é muito esperto. Envolvido com tráfico. Namora Mari. e posteriormente Raíssa.

Cidinha: Amiga que Sol conheceu em Miami. Imigrantes ilegais nos Estados Unidos, elas se ajudam mutuamente.

Conchita: Garçonete na boate dos imigrantes, também presta ajuda a Consuelo como balconista do bar.

Djanira Pimenta: Mulher bonita, sedutora, inteligente, esperta e sensual. Vive em Miami vendendo documentos falsos para os imigrantes e revendendo carros usados. Freqüenta a Miami rica, onde não se suspeita da natureza de seus negócios. É a chefe de Alex e da quadrilha que atravessa ilegais pela fronteira do México

Ed: Intelectual, sensível, amante da literatura, jazz e música clássica. Gosta de May e se dá bem com ela, porque é inteligente e culta, e os dois têm muito em comum: ambos são muito racionais. A entrada de Sol na vida deles reverte tudo.
Geraldito: Morador da pensão de Consuelo. Seu sonho é acontecer em Hollywood, por isso vive se candidatando a testes.

Heloisa: Casada com Neto e mãe de Rique. Helô toma uma decisão: acabar com o seu casamento. Ela largou o escritório de advocacia que tinha no Brasil em sociedade com Vera e Nina para acompanhar o marido, Neto, numa viagem aos Estados Unidos, onde ele faz um curso de especialização. Com ele viveu os conflitos e as dificuldades de adaptação a uma nova vida, numa terra estrangeira. Mas ela foi sabendo que voltaria. Ele, no entanto, não fez planos para voltar.

Inesita: A adolescente é filha de Consuelo.Mora na pensão com a mãe em Miami.

Jota: Extrovertido, descolado, sempre alegre e de bem com a vida, é um dos freqüentadores do café dos imigrantes.O motorista conhece todos os imigrantes ilegais, ganhou seu green card por sorteio.

Ju: Uma das meninas brasileiras que trabalha na boate em Miami. Ela é amiga e confidente de Sol, para quem está sempre arrumando algum emprego ou trabalho extra.

Malu: Brasileira que tentou a vida nos Estados Unidos, mas acabou sendo presa. Sol a conheceu num presídio em Miami, onde eram companheiras de cela. As duas se tornam amigas e Sol acaba ajudando Malu a reconstruir sua vida no Brasil.

Mercedes: Irmã de Consuelo. Está sempre em atrito com ela e em desacordo com seus métodos. O que move a inquieta personagem é o desejo de conquistar um casamento: a cada romance, ela muda de figurino, de religião, de cabelo, de temperamento, se reconstrói inteira ao gosto do escolhido.

Miss Jane: Especialista em línguas, pedagoga e conselheira da escola. É uma americana típica, que acredita piamente em todos os valores e princípios da cultura americana. É avó de Nick.

Neto: Jovem médico de classe média, entusiasmado com a chance de se fixar definitivamente nos Estados Unidos, depois do curso de especialização que vai fazer lá. Casado com Heloísa, com quem tem muitos desentendimentos quando ela começa a sentir falta dos projetos que abandonou para acompanhar o marido.

Perkins: James Perkins é vizinho de Miss Jane, ex-namorado de May e advogado de Sol. É ele quem ajuda a imigrante brasileira a resolver seu problema com a polícia americana.

Rique: Filho de Neto e Heloísa é um menino carinhoso e levado, que cria muitos problemas na escola por seu comportamento expansivo, visto como natural em uma criança na América Latina, mas não compreendido nos Estados Unidos.

Ramiro: Coiote, parceiro de Alex e Pimenta no esquema de imigração ilegal.

Rosário: Filha de Consuelo, passa um longo período da novela tentando fazer a travessia para entras nos Estados Unidos.

Tony: Maduro, consistente e humanitário, vive um grande romance com Haydée.

REFERÊNCIAS

ACOSTA-ORJUELA, Maurício. 15 motivos para ficar de olho na televisão.São Paulo: Alinea 1999.

ARAÚJO, Luis Fernando. A telenovela e a transnacionalização da cultura latino-americana. Disponível em: http://www.ietv.org.br/imprimir_artigo.php?id=343. Acesso em 25/03/2005.

ARANHA, Maria Lúcia Arruda; MARTINS, Maria Helena Pires. Temas de Filosofia.São Paulo: Moderna, 1992.

ALMEIDA, Heloisa Buarque. Telenovela, consumo e gênero: “muito mais coisas”. Bauru: EDUSC, 2003.

CALDAS, Waldenyr. O que todo cidadão precisa saber sobre cultura de massa e política de comunicação. São Paulo: Global, 1986.

COELHO, Teixeira. O que é indústria cultural? São Paulo: Editora Brasiliense, 1996.

DANTAS, Marcos. A lógica do capital-informação: A fragmentação dos monopólios e a monopolização dos fragmentos num mundo de comunicação globais. Rio de Janeiro: Contraponto: 1996. p.103-110.

DI FRANCO, Carlos Alberto. Jornalismo,ética e qualidade.Petrópolis: Editora Vozes, 1996. p.53-142.

FILHO, Laurindo Lalo Leal.A melhor televisão do mundo. São Paulo: Summus, 1997. p.86-101.

GONÇALO, Silva Júnior.País da TV: A história da televisão brasileira contada por Gonçalo Silva Júnior e outros.São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2001. p.41-53.

HAMBURGER, Esther. O Brasil Antenado: A sociedade da novela. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

HOINEFF, Nelson. A nova televisão: Desmassificação e o impasse das grandes redes de comunicação alternativa. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1996.p.27-40.

IANNI, Otávio. Enigmas da Modernidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000. p.140-166.

IBGE. Dados 2003. Disponível em http: // www.ibge.com.br/brasil_em_sintese/default.htm.Acesso em: 20/12/2005.

MACHADO, Arlindo. A televisão levada a sério.São Paulo: Editora Senac, 2003.p.83-97.

MARCONDES FILHO, Ciro. Televisão: A vida pelo vídeo. São Paulo: Moderna, 1988.

MARTIN-BARBERO, Jesús. Dos meios as mediações. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2003.

MENDONÇA, Martha. América para brasileiro ver. Revista Época. Rio de Janeiro: Editora Globo, n.356, março,2005, p.

MORIN, Edgar.Novas correntes no estudo das comunicações de massa. In: MORIN, Edgar(org.). Cultura e comunicação de massa. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1972. p.19-113.

NARLOCH, Leandro. A voz do Brasil. Revisa Super Interessante. São Paulo: Editora Abril, n. 214, junho,2005. p.51-57.

PIGNATARI, Decio. Informação.Linguagem.Comunicação. São Paulo: Editora Perspectiva, 1970. p.79-94.

RIBEIRO, Renato Janine. O Afeto Autoritário. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2004.

TONON, Joseana Burguez. Telenovelas e representações sociais. Um estudo de caso sobre “Mulheres Apaixonadas”. Universidade Estadual Paulista. Disponível em: http: //bocc.ubi.pt/pag/tonon-joseana-burguez-telenovelas-represenacoes-sociais.html. Acesso em 23/05/2005.

VALLADARES, Ricardo. Acima do bem e do mal. Revista Veja. São Paulo: Abril, ed. 1981, fev.2005, p.58-68.

VAN TILBURG, João Luís. Telenovela – Instrumento de educação permanente. Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.Disponível em: http://bocc.ubi.pt/pag/tilburg-joao-telenovela-especificidade.html. Acesso em 20/03/2005

(1) Artigo apresentado como trabalho de conclusão do curso de Ciências Sociais.
(2) Maria Alice Silveira Ferreira é socióloga, formada pela Universidade Estadual de Montes Claros, e aluna especial do programa de mestrado desta mesma instituição.

Comentários

18 comentários sobre “Cultura de massa, televisão e telenovela

  1. Cloves Rocha disse:

    jamal, concordo ótimo comentário!

  2. luisa disse:

    não me aj8udou porinquanto

  3. thamires disse:

    tenho que fazer um trabalho de cultura de massa e consumismo ,sobre tv ,quem criou ?oque e hoje ? qual a influencia na sociedade ?
    me ajuda

  4. jamal disse:

    Rasgou o saco das novelas, hein?

    Faltou dizer que na Itália foi feita uma campanha de boicote aos patrocinadores de uma certa novela que foi obrigada a sair do ar em poucas semanas, na palavra dos Italianos: “Se é isso que o Brasil tem a oferecer, nós não queremos”

    Faltou dizer que a novela Rei do Gado foi rejeitada em vários paises por fazer por fazer apologia ao MST.

    Faltou falar sobre o acordo entre o governo do Maranhão
    e uma certa emissora. Onde ficou acordado que a novela em questão, mostraria cenas de pontos turísticos
    do Estado, cuja governadora, era pré-candidata à Presidência da República, Criando uma espécie de nacionalismo/patriotismo. Mostrando o Maranhão lindo para os maranhenses se orgulharem do seu Estado e consequentemente aumentarem o nível de aprovação da administração atual.

    Faltou falar o estudo do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que sugere uma ligação entre as populares novelas da TV Globo e um aumento no número de divórcios no Brasil nas últimas décadas.

    A pesquisa é um duro golpe na defesa esfarrapada da “liberdade de expressão” para uma programação divorciada de elementos educativos, valores morais, costumes sadios. Mostra o prejuízo incalculável imposto a parcela significativa de uma nação desprovida de governantes com autoridade suficiente para estabelecer limites aos donos inescrupulosos dos meios de comunicação que se tornaram milionários à base da exposição do povo àquilo que povoa as mentes de escritores descomprometidos com os valores da célula-mãe da sociedade.

    Minaram os fundamentos morais ao longo dos anos, tendo à disposição uma estrutura colossal de comunicação para difundir à vontade costumes, conceitos e comportamentos prejudiciais. No princípio, sofreram algum tipo de resistência do próprio público que hoje se embriaga com o que antes era lixo. Nessa trajetória, o baixo Ibope levou alguns a “matar” vilãos, casais do mesmo sexo e outros tipos de personagens à época reprovados.

    Mas a sociedade respondeu “muito bem” à incitação à inversão de valores e revolução nos costumes. A natureza humana decaída sempre desejará mais concessões. Vai querer sempre mais do pior que puder alcançar. O ser humano rebelado contra os princípios do Criador vai invariavelmente desejar agradar a si mesmo e nunca a Deus. Assim, de abismo em abismo, todas as instâncias sociais vão sendo cooptadas, a exemplo do atual governo com militantes liberais infiltrados em toda sua estrutura.

  5. tia disse:

    xau bu bu xecha

  6. tia disse:

    horrrrou ai baby

  7. tia disse:

    que bom achei legal beijos

  8. tia disse:

    muito bem que coisa linda párabens bom dia e eu te dei hoje?

  9. tia disse:

    horrou que lindo bom dia e eu te dei hoje? bj rs tique

  10. tia disse:

    horrou que lindo rsssssssss bom dia

  11. karolaine disse:

    ouw, obrigado …
    esse texto mim ajudou a fazer um trabalho muito importante …

  12. Angélica disse:

    Acredito que o mundo carece de discussões mais importantes que a supracitada.

  13. ALICIA SEVERINO disse:

    Oi, estou fazendo uma monografia sobre as telenovelas e usarei uma señáo deste artigo mas desejaria conhecr a data de produñao da mesma.
    Muito Obrigada
    Excelente trabalho.
    Alicia

  14. matheus disse:

    Boa noite!
    Gostei do texto e pretendo de colocar um trecho desse artigo em minha monografia. Por isso, gostaria de saber a data de elaboração do texto e se há alguma fórmula específica para citação em trabalho acadêmico.
    Obrigado!

  15. Nathanne disse:

    Ola, preciso fazer um trabalho sobre a cultura de massa!
    e preciso de um pequeno resumo dizendo a origem e como acontecia no século XX!
    também preciso sobra a indústria do lazer na cultura de massa!
    será que vc pode me mandar essas respostas por email até o dia 20/05/09 ou 21/05/09?
    obrigado espero que me ajude!

  16. anselmo Wanzeller disse:

    Qual a principal característica da cultura de massa e desmassificação?

Deixe um comentário!